“A minha experiência de vida me condicionou para qualquer situação”

Dono de academia vira símbolo de superação; A forma como ele conduziu sua vida após a amputação de uma perna é impressionante

Um homem forte, de personalidade singular, modelo de admiração e exemplo para os alunos. Victor Rafael Alves de Sousa viu sua vida mudar há um ano e nove meses quando teve uma perna amputada em decorrência de uma obstrução arterial. Drama? Depressão? Nada disso! “Eu vivo em função da vida e dos prazeres que ela pode me dar. Ninguém fica feliz com uma perda e toda perda tem o seu processo, mas não quero ficar acumulando derrotas”. Durante entrevista para o jornal Ponto, o proprietário de uma renomada academia de Volta Redonda revelou coisas que ninguém imagina sobre seu personagem.

Tudo começou quando, após uma jornada de 12 horas de trabalho,sentiu a primeira fisgada no pé. Com a persistência da dor por três dias, o diagnóstico: ‘Você vai ter que procurar um hospital que tenha CTI. Seu caso é grave’. Encaminhado à unidade hospitalar, a equipe de cirurgiões reiterou a seriedade do problema. Foi feita uma espécie de ponte de veias que, segundo Victor, não aguentou 24 horas. “Ela explodiu, fiquei todo cheio de hematomas. Teve que amputar”, lembra. No entanto, essa não era a maior aflição naquele momento. “Estava com meu filho caçula que chorava muito e tive que engolir aquela dor monstra para não vê-lo sofrer. A dor dele era na alma”. Durante toda a entrevista, Victor mencionou gestos de nobreza de pessoas que foram fundamentais para sua recuperação. Pai de quatro filhos, avô de dois netos, ele fala com carinho da família, acrescida por seus pais e pela mãe de seus filhos, a quem ele define como ‘uma grande amiga’.

Provisionado em musculação pelo Conselho Regional de Educação Física (Cref), o professor acredita que se não tivesse conhecimento de biomecânica e de cinesiologia, provavelmente não estaria se deslocando. Ele lembra, com tristeza, às cenas que assistiu durante sua assistência pós-amputação na Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR). “Crianças, idosos e outras pessoas sem mobilidade alguma. E aí você vê que seu caso não é o único”.

A primeira experiência de caminhar uma longa distancia após a colocação da prótese também não foi das melhores. Victor conta que caiu cinco vezes e que o amigo que o acompanhava não tinha forças o suficiente para levantá-lo. “Ninguém parou para me ajudar”, lamenta ele ressaltando as dificuldades que pessoas que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS) enfrentam para fazer tratamentos na capital e faz críticas à exploração existente no mercado de prótese.Sem conseguir se adaptar à prótese cedida pela Associação, resolveu criar uma campanha nas redes sociais para angariar R$ 18 mil para comprar uma melhor.

Aos 57 anos, graduado em Matemática e Física e proprietário de uma academia com cerca de 300 alunos, Victor coleciona em seu currículo funções de técnico de engenharia industrial, oficial de justiça ad hoc e chefe de gabinete da Superintendência dos Serviços Rodoviários (Suser). Para o futuro, tem a ambição de estudar cada vez mais e contribuir para que outras pessoas tenham um físico melhor. “Tudo na vida depende do seu olhar. Temos que ter otimismo e confiança. Isso não quer dizer ignorar as melhorias que temos que fazer na nossa sociedade, no nosso bairro, no nosso país. Mas considerar as coisas excelentes que existem e que possam propagar uma condição melhor para se viver”.

“Condição privilegiada”

Questionado, Victor esclareceu as especulações de que seu problema estaria relacionado ao uso de anabolizantes. “Meu pai perdeu o globo ocular esquerdo por trombose, o irmão dele faleceu com trombose nas duas pernas e meu irmão teve obstrução na circulação cerebral. A gente dizer que foi ou não foi não adianta. Hoje faço legpress com 300kg em uma perna só. Me cuidei a vida inteira para estar nesta condição privilegiada. O médico, na hora da cirurgia, disse: ‘eu nunca vi uma perna tão bem vascularizada como a sua. Todo o seu treinamento e alimentação culminaram em benefício pra você’. Hoje a alimentação do empresário é monitorada por um mestre Ayurvêda. “Ele melhorou substancialmente meu conhecimento sobre dieta, com óleo de coco, cúrcuma, chá de hibisco, ghee (manteiga clarificada). Através dessa rotina, tenho musculatura tonificada, força garantida e saúde mental fortalecida”.

Nathália Azevedo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Bailarina de Volta Redonda rumo à Nova York

qui nov 24 , 2016
Cerca de 1,2 mil bailarinos são esperados na noite de gala do Festival Youth America Grand Prix (YAGP), que acontece em abril de 2017, em Nova York. O concurso, conceituado mundialmente, reúne estudantes de dança entre oito e 19 anos dos Estados Unidos, Holanda, França, Alemanha e Brasil. Na ocasião, […]

Arquivos

Categorias

Meta