Defensoria Pública consegue revogar prisão de mulher acusada de furtar alimentos no Rio

A Defensoria Pública do Rio conseguiu, na última terça-feira (12), a revogação da prisão de uma mulher, detida desde março deste ano, acusada de tentar furtar três peças de carne em um hipermercado. 

A defensora pública, Simone Estrellita, responsável pela 21ª Vara Criminal da comarca da capital, acompanhou o caso desde o início e estava na audiência que encaminhou a soltura da assistida da DPRJ. 

– Durante a audiência, enquanto defensora pública, demonstrei a nossa indignação com a situação vivida pela ré e requeri o relaxamento da prisão. A juíza entendeu o que estava se passando e aceitou o pedido de revogação, conta Simone. 

Na decisão, a juíza afirma que a ré enfrentava uma punição mais grave do que a necessária para o crime do qual é acusada.

Entenda o caso 

Depois de ter sido vista por um fiscal, através das câmeras da loja, colocando a mercadoria em uma bolsa, a mulher, de 48 anos, foi abordada pelos seguranças do local e devolveu os produtos, sem oferecer resistência, conforme o relato dos próprios funcionários do mercado. Mesmo com a devolução, foi encaminhada à Delegacia de Polícia e presa em flagrante pelo furto.

Sem condições de pagar a fiança de R$ 1500, ela teve sua prisão preventiva decretada após audiência de custódia. Na decisão, o juiz aponta como motivos para a prisão o fato da mulher ser reincidente, o que faria dela um risco à ordem pública e à sociedade. 

Uma das defensoras que acompanhou o caso, Mariana Castro afirma que a manutenção da prisão não condizia com a realidade da ré e com a situação social do país.

– O que a gente questionou, inclusive no Habeas Corpus, é qual é a periculosidade de uma pessoa que é acusada de furto simples de comida em um cenário de crise econômica, desemprego e índices alarmantes de fome. Provavelmente há uma falha do Estado em prover assistência social a essa mulher que se viu em uma situação em que o furto se tornou opção para que ela pudesse se alimentar, afirma. 

A Defensoria Pública do Rio entrou com pedidos de liberdade para a ré na 21ª Vara Criminal da Capital e no Tribunal de Justiça do Rio, todos negados. O caso foi, então, protocolado pela DPRJ no Superior Tribunal de Justiça em 05 de julho. 

– Nós conhecemos a história do clássico “Os Miseráveis”, que virou filme em Hollywood, e todos nos indignamos com o policial que persegue o protagonista por ter furtado comida para se alimentar. Na vida real, porém, vemos da mesma forma os tribunais considerarem como “perigosas” pessoas miseráveis e famintas, e as deixarem presas, conclui a defensora Mariana Castro.

Um novo julgamento do caso está marcado para abril de 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Homem é preso acusado de tráfico de drogas em Valença

dom jul 17 , 2022
Policiais Militares em patrulhamento prenderam na noite deste sábado, 16, um homem de 24 anos, por suspeita de estar traficando drogas na Rua Geraldo Pereira da Costa, no bairro João Bonito, em Valença. Os agentes foram até a residência do suspeito, que admitiu o delito. Após revista pessoa foram encontrados […]